Lucifer (HQ), de Mike Carey đź“– Leituras do Solari #125

Lucifer4Sempre me interessei pelo Diabo como personagem de ficção. Ou os diabos, porque existem afinal infinitas formas de representar o mal. Das histórias tradicionais da “Bíblia” a um anti-herói que simboliza a liberdade individual como em “Paraíso Perdido”, as histórias de compra da alma com contratos cheios de letras miúdas e até o Diabo cômico que só se dá mal nas do cordel nordestino.

E tem a versão da DC Comics encontrada em “Lucifer”. A série é na verdade um spinoff, com o Lucifer aparecendo antes como imaginado por Neil Gaiman na série “Sandman”, quando ele resolve deixar de ser o príncipe do Inferno, entrega de bom grado as chaves de seus ex-domínios para o Sonho e vai curtir um período sabático.

Então a série acompanha um Lucifer nesse período de férias do Inferno, mais preocupado em manter um bar em Los Angeles, chamado “Lux”, do que em pecadores hordas infernais. O sossego não dura muito, ao receber de Deus uma carta em branco que o permitiria ir a qualquer lugar da existência. E se parece bom demais pra ser verdade, é porque é.

O prĂłprio Lucifer fala que “Em qualquer assunto com o ParaĂ­so eu penso em dissecar o cavalo e analisar suas entranhas”. Em busca de uma resposta para que tipo de armadilha essa seria, ele sai em busca de suas asas de volta – que ele aposentou ao deixar o inferno – assim como dos poderes premonitĂłrios de um baralho de cartas de tarot consciente chamado Balsanos.

Ao longo das 75 edições a história principal vai sendo acompanhada de outras menores, com diversas reviravoltas, levando a mitologias de outras culturas além da abraâmica, à criação de um segunda Criação, Lucifer sem seus poderes tendo que enfrentar anjos e ser mais esperto que demônios, viagens pelas bordas da morte e realidade culminando em um confronto final na Cidade de Prata e o assento de Deus.

Lucifer2

O que eu gosto dessa sĂ©rie Ă© que ela acaba sendo uma “pĂłs-cosmogonia”, uma continuação pop da histĂłria bĂ­blica. Algo muito interessante que Ă© levantado Ă© quais os papĂ©is reais do Inferno e ParaĂ­so, o primeiro sendo mostrado como um lugar onde os penitentes sofrem por livre e espontânea vontade – talvez em um nĂ­vel inconsciente – para tentar redimir seus pecados. O Inferno, mais do que a morada dos inimigos da criação, tem um papel positivo nela.

O mais interessante de Lucifer como personagem é sua defesa ferrenha do livre arbítrio e ódio com a religiosidade organizada. Mas, como em uma tragédia grega, quanto mais tenta agir com seu próprio livre-arbítrio ele acaba fazendo o que estava predestinado. Alguns personagens secundários são incríveis. Gostei em particular de Mazikeen, companheira de Lucifer e uma lilim, uma raça de criaturas que descenderam de Lilith. Também fascinante é a forma como a série imagina A Criação como algo cíclico, não foi a primeira nem a última “tentativa”.

Uma série incrível que me lembrou muito o sabor do selo Vertigo como em “Sandman”, mas que não deixa de trilhar os seus próprios caminhos.

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

VocĂŞ está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

VocĂŞ está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

VocĂŞ está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

VocĂŞ está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.

Blog no WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: